Publicidade

Posts com a Tag Novela

sexta-feira, 1 de abril de 2016 Briga pela audiência | 15:00

“Cuidado com o Anjo” tira o sono de Marcelo Rezende

Compartilhe: Twitter
O "Cidade Alerta" de Marcelo Rezende perdeu a maioria dos confrontos para "Cuidado com o Anjo"

O “Cidade Alerta” de Marcelo Rezende vem perdendo a maioria dos confrontos para “Cuidado com o Anjo”

Além da gripe H1N1 que o tirou do ar esta semana, Marcelo Rezende tem encarado uma pedra no sapato durante a guerra de audiência à tarde. A novela “Cuidado com o Anjo”, exibida pelo SBT, derrotou o “Cidade Alerta” sistematicamente em março. Dos 23 confrontos diretos no mês passado, a mexicana venceu 22 e perdeu apenas uma vez para o telejornal – um aproveitamento de 96%.

William Levy e Maite Perroni protagonizam a novela (Foto: Divulgação Televisa/SBT)

William Levy e Maite Perroni protagonizam a novela (Foto: Divulgação Televisa/SBT)

Na tarde de quinta-feira (31), por exemplo, a trama protagonizada por Maite Perroni e William Levy marcou 8 pontos de média contra 4 do “Cidade Alerta” – ou seja, o SBT marcou o dobro da audiência.

Mas a “dor de cabeça” da Record não está restrita a março: “Cuidado com o Anjo” ficou à frente do telejornal durante 52 confrontos consecutivos – de 11 de janeiro a 24 de março, quem estava em casa à tarde preferiu ver a reprise da novela (que foi ao ar na emissora pela primeira vez em 2013) ao sangue e tiros que começam cedo no telejornal. Ou seja, em fevereiro, nos minutos em que disputaram a atenção do telespectador (geralmente entre 16h45 e 17h15), só deu SBT.

Não raro, o programa de Rezende também perde para as outras novelas importadas por Silvio Santos – “Tereza” e “Meu Coração é Teu” costumam ter bom desempenho, empatando com (ou vencendo) o “Cidade Alerta” muitas vezes. Como o telejornal é extenso (16h45 às 20h30), acaba se recuperando e ficando na vice-liderança na média de seu horário completo.

Autor: Tags: , , , , ,

Entrevista | 11:00

“O público está mais atento, sofisticado e exigente”, diz o diretor Mauro Mendonça Filho

Compartilhe: Twitter
mauro mendonça filho

O diretor Mauro Mendonça Filho

Mauro Mendonça Filho viu seu trabalho ser coroado ao receber o Troféu APCA de melhor diretor de TV pela novela “Verdades Secretas”, exibida no ano passado. Com quase 30 anos de carreira, ele avalia em conversa exclusiva com a coluna as mudanças no comportamento do público televisivo nesse período, diz ver com bons olhos a entrada de uma trama de época às 23h e como é dirigir os pais, Mauro Mendonça e Rosamaria Murtinho.

“Comecei a fazer algo em direção em ‘Vale Tudo’ (1988) e, de lá para cá, o público está muito mais atento, sofisticado e exigente, não aceita mais coisas antigas ou repetições. Você pode lidar com a imaginação deles sem entregar tudo de mão beijada. Para mim, melhorou.”

 

Ele acredita por exemplo que “O Dono do Mundo” – que teve rejeição dos telespectadores em 1991, mas ganhou vários admiradores na reprise levada ao ar ano passado pelo canal Viva – teria outra receptividade se produzida nos dias atuais. “A novela tinha uma estética ousada para a época. Se fosse feita hoje, seria bem mais aceita”, aposta.

Parceria com Walcyr Carrasco em 'Verdades Secretas' rendeu prêmios

Parceria com Walcyr Carrasco em ‘Verdades Secretas’ rendeu prêmios

 

Entre os diretores com quem já trabalhou estão Luiz Fernando Carvalho (do qual foi assistente) e Roberto Talma – (dividindo a direção de algumas novelas). “Aprendi com vários deles. As experiências a gente vai acumulando e usando no dia a dia”. Este ano, Filho está à frente da série de humor “Vade Retro”, que terá Tony Ramos e Monica Iozzi no elenco.

mauropais1Depois dos sucessos acumulados nos últimos anos às 23h com os remakes de “O Astro” (2011) e “Gabriela” (2012), além da premiada “Verdades Secretas” (2015), o diretor discorda que “Liberdade Liberdade”, que ocupará a faixa a partir do próximo dia 11, destoe e possa afugentar o público.  “Não acho que por ser de época quebre a estética do que vinhamos fazendo no horário, Mas se quebrar é até bom variar”.

Ele conta ainda como é quando precisa dirigir seus pais, Mauro Mendonça e Rosamaria Murtinho. “A intimidade é ótima para dirigir, mas na hora ‘H’ é igual, é todo mundo profissional. Eles são tarimbados e brilham, eu que preciso fazer meu trabalho bem feito”.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

Crítica, Novela | 07:00

Atores ganham espaço, mostram talento e brilham em “Velho Chico”

Compartilhe: Twitter
Renato Góes tem chamado a atenção como Santo (Foto: Reprodução)

Renato Góes tem chamado a atenção como Santo (Foto: Reprodução)

Fabiula Nascimento emociona como Eulália (Foto: Reprodução)

Fabiula Nascimento emociona como Eulália

As primeiras semanas de “Velho Chico” têm sido um presente para o telespectador e para vários atores. Sob a direção impecável de Luiz Fernando Carvalho, eles ganharam a oportunidade de brilhar na história que, acertadamente, veio transportar o público para um Brasil que há muito tempo não era visto no principal horário da televisão e, quiçá, muitos esqueceram que existia.

Fabíula Nascimento, que já havia se destacado em novelas como “Avenida Brasil” e “I Love Paraisópolis”, vive seu auge televisivo até agora com Eulália – digna de todos os aplausos na cena em que descobre ter perdido o marido, o capitão Ernesto (Rodrigo Lombardi). Impossível desviar os olhos da tela e não ser tocado pelo sentimento da personagem.

(Foto: Reprodução)

Chico Diaz e Renato Góes ganham destaque

Com Belmiro, Chico Diaz finalmente ganhou um papel grande na TV. Renato Góes é outro que coube como uma luva para a atual fase de Santo. O ator, que apareceu na TV fazendo a versão jovem de Lance (Marcos Pasquim) em “Pé na Jaca” (2006/2007), soube dosar masculinidade, simplicidade e determinação na composição do personagem e tem dominado as sequências em que aparece.

Quem via Selma Egrei em pornochanchadas como “Emanuelle Tropical” ou “Mulheres do Cais” nos anos 70 talvez nem imaginasse seu talento. Na pele de Encarnação, a atriz – que tinha chamado a atenção na série “Sessão de Terapia”, do canal GNT – vem desde o primeiro capítulo ganhando fãs noveleiros.

Rodrigo Santoro na pele de Afrânio e Selma Egrei como Encarnação, mãe dele (Foto: Reprodução)

Rodrigo Santoro na pele de Afrânio e Selma Egrei como Encarnação, mãe dele (Foto: Reprodução)

 

Tarcísio Meira como o coronel Jacinto

Tarcísio Meira como o coronel Jacinto

Alguns veteranos voltaram com destaque. Como já dito aqui, mesmo com outros pontos positivos Tarcísio Meira roubou o primeiro capítulo para si como o coronel Jacinto. Fora das novelas desde 2003, Rodrigo Santoro não podia ter feito melhor escolha que “Velho Chico” para voltar ao gênero. Com um bom personagem (Afrânio), o ator vem deixando com essa participação, além dos suspiros pelas cenas de nudez, o gosto de dever bem cumprido.

Outros atores vem se destacando e mais alguns prometem fazer o mesmo na próxima fase. Quem até agora tem chamado a sua atenção? Escreva nos comentários!

Leia mais »

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

segunda-feira, 28 de março de 2016 Entrevista | 09:00

Carlos Lombardi detona Classificação Indicativa da TV: “É inconstitucional”

Compartilhe: Twitter

lombardi

Carlos Lombardi criticou duramente a classificação indicativa ao falar sobre um de seus maiores sucessos que nunca foi reprisado pela Globo. Para o autor, a media é a culpada pela novela “Uga Uga” (2000) nunca voltar ao ar.

“Estamos em uma época muito chata da classificação indicativa. Um dos meus maiores sucessos nunca passou no ‘Vale a Pena Ver de Novo’ por causa da bunda do Claudio Heinrich (que interpretava o índio Tatuapu). Pela Constituição acabou a censura! O governo tem tanta coisa para fazer, por que se meter nisso? Acho invasivo e mal educado. Jura que é isso que precisa ser feito? Que o problema do Brasil hoje é se vai ter uma bunda ou não na televisão? Isso é coisa para se preocupar?.”

ugaugaCom uma longa carreira que inclui novelas como “Bebê a Bordo” (1988), “Quatro por Quatro” (1994) e “Kubanacan” (2003), ele vê a liberdade de criação sendo tolhida. “Há um tempo atrás não era assim, se fizéssemos merda processavam a gente.  Hoje é um esquema chantagista: se você tem uma novela das 18h e dizem que vão reclassificar, precisa mudar de horário, ou seja, vai sair do ar. A Record é uma fábrica, a Globo e o SBT também. Elas não vão mudar a programação por causa disso, a novela vai acabar. O público é adulto! Não quero que o governo diga o que é certo ou errado”, detona.

 

Lombardi cita exemplos de como a medida que regula a programação prejudica a maneira de contar uma história. “Dizer que algo não pode porque estimula é ridículo! Não poder falar de crime num país que a gente morre de medo e conhece alguém que já levou um tiro ou morreu porque parou em um sinal de trânsito. Não sou eu que crio essa violencia, mas a impunidade, afinal temos leis para a primeira e segunda classe. Isso faz com que o horário livre apele para mil coisas para não ficar borocochô”.

uga_uga-claudio_heinrich2

 

O autor enxerga a medida como uma forma de censura. “É inacreditável em 2016 termos de conversar com o Governo para ver se vão deixar um programa passar ou não. É inconstitucional! Na Constituição diz que a TV tem o direito de botar no ar e ser responsabilizada se a maior parte das pessoas achar que precise. Trabalho nisso há quase 40 anos. Estou mais capacitado que esse povo que faz a classificação indicativa para dizer como se trata de assuntos delicados e como se chega no público sem chocar”.

 

Relembre a abertura de “Uga Uga”:

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 24 de março de 2016 Novela, Vem Aí | 06:00

“Nice ficou com o mocinho contra a minha vontade”, revela autora de “Anjo Mau” 19 anos depois

Compartilhe: Twitter
Nice (Glória Pires) ganhou final feliz ao lado de Rodrigo (Kadu Moliterno) no remake

Nice (Glória Pires) ganhou final feliz ao lado de Rodrigo (Kadu Moliterno) no remake

“Anjo Mau” volta ao ar nesta segunda-feira (28) no “Vale a Pena Ver de Novo” 19 anos depois da primeira exibição, em 1997. A autora Maria Adelaide Amaral conversou com a coluna sobre a trama, que já foi reprisada em 2003, na mesma sessão, e em 2013 no canal Viva.

Ricardo (Leonardo Brício) tenta estuprar Vivian (Taís Araújo)

Ricardo (Leonardo Brício) tenta estuprar Vivian (Taís Araújo) em cena cortada da reprise

“Não vou conseguir assistir, mas vou gravar. Estou curiosa para ver a versão com cortes. Acho que será inevitável, não é?”, diz. A novela foi uma das mais adultas das 18h, contando até com uma cena de estupro – já cortada na primeira reprise.

Ela recorda do projeto, que nasceu da ideia de fazer um remake da história escrita por Cassiano Gabus Mendes em 1976. “A melhor lembrança que tenho é do Sílvio de Abreu, que fazia a minha supervisão, dizer: ‘Eu quero que você escreva a sua novela! De ‘Anjo Mau’ de Cassiano, aproveite só a ideia central'”.

Uma das novidades foi a mudança do final da babá Nice – na primeira versão, interpretada por Susana Vieira, ela morre. No remake, a personagem defendida por Glória Pires tem o final feliz com Rodrigo (Kadu Moliterno). Maria Adelaide faz uma revelação exclusiva sobre o desfecho:

Maria Adelaide alterou a contragosto o fim de Nice

Maria Adelaide mudou a contragosto fim de Nice

“Eu propus que Nice acabasse sozinha, como Nora, personagem de ‘Casa de Bonecas’ (peça do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen). Contra a minha vontade, ela acabou ficando com o mocinho. Se houve pressão (para mudar o final) foi da parte do Carlos Manga (diretor de núcleo da trama). Mas assim mesmo, Nice terminou cheia de brio e atitude”.

Leia mais »

Autor: Tags: , , , , , ,

quarta-feira, 23 de março de 2016 Crítica, Novela | 18:00

Onze anos depois de “Alma Gêmea”, Flávia Alessandra se repete em “Êta Mundo Bom”

Compartilhe: Twitter
Flávia Alessandra como Cristina (à esq.) em "Alma Gêmea) e Sandra (à dir.) em "Êta Mundo Bom"

Flávia Alessandra como Cristina (à esq.) em “Alma Gêmea” e Sandra (à dir.) em “Êta Mundo Bom”

Flávia Alessandra não foi feliz na composição de Sandra, sua personagem em “Êta Mundo Bom”. A atriz está praticamente idêntica a Cristina, vilã de “Alma Gêmea” que interpretou em 2005.

A atriz repete nas duas novelas até a entonação da palavra "titia"

Além da interpretação, a atriz repete nas duas novelas até a entonação da palavra “titia”

Vários fatores acabaram pesando contra a atriz: as duas novelas serem do mesmo autor (Walcyr Carrasco), o que muitas vezes limita a margem de criação; o cabelo das duas ser loiro, variando um pouco no tom; e a ambientação de época das duas tramas, fazendo com que a postura de ambas seja parecida.

Até a entonação de “ti-tia” – que em “Alma Gêmea” ela usava para falar com Agnes (Elizabeth Savalla) e agora com Anastácia (Eliane Giardini) – é a mesma. Apesar de Sandra ser “menos má” que Cristina, as comparações são inevitáveis e isso prejudica a atriz, que poderia ter buscado outro tipo de interpretação ou simplesmente recusado o papel.

Compare as atuações e a entonação de “ti-tia” de Flávia Alessandra nas duas novelas:

Leia mais »

Autor: Tags: , , , , ,

Novela | 15:30

Maria Adelaide Amaral explica mudança no título da próxima novela das 9

Compartilhe: Twitter
A autora Maria Adelaide Amaral comemora ter mais tempo para escrever sua próxima novela

A autora Maria Adelaide Amaral comemora ter mais tempo para escrever sua próxima novela

Maria Adelaide Amaral explicou à coluna nesta quarta-feira (23) a mudança no título de sua próxima novela. “Sagrada Família”, que substituirá “Velho Chico” às 21h, passou a ser divulgada como “Lobo do Amor”.

“‘Sagrada Família’ dava impressão de ser uma novela religiosa, o que está longe de ser o caso. Mas ‘Lobo do Amor’ também é um título provisório”, avisou. Com o adiamento da história – que estrearia no lugar de “A Regra do Jogo”, mas foi postergada por conta da trama política coincidir com o período eleitoral – ela e Vincent Villari estão escrevendo com calma. “Continuamos devagar e sempre, tentando escrever um capítulo sempre melhor que o anterior”.

E engana-se quem pensa que a autora ficou magoada por Benedito Ruy Barbosa ter sido colocado em sua frente na fila das 21h. “Foi melhor, fique certo. Mandei até rezar uma missa de Ação de Graças!”, comemora.

 

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 22 de março de 2016 Estreia, Novela | 14:15

Record bate o martelo e anuncia estreia de “Os Dez Mandamentos – Nova Temporada”

Compartilhe: Twitter
Moisés já tem data para voltar ao ar

Moisés já tem data para voltar ao ar

A Record definiu oficialmente a data da primeira das cinco novelas que exibirá até o fim de 2017: “Os Dez Mandamentos – Nova Temporada” estreia dia 4 de abril, uma segunda-feira.

A trama, continuação do sucesso do ano passado que deu dor de cabeça à Globo no horário nobre e foi até transformada em filme, permanecerá às 20h30, batendo de frente com o “Jornal Nacional”. Nesta fase, prevista para ter 60 capítulos, Moisés (Guilherme Winter), Arão (Petrônio Gontijo), Josué (Sidney Sampaio) e os outros hebreus seguem sua longa jornada rumo à Terra Prometida, dando gancho à novela de mesmo nome que estreará na sequência, em junho.

Ainda em abril (provavelmente dia 26), a emissora também  colocará “Escrava Mãe” no ar, às 19h30. A novela estava prevista para substituir “Os Dez Mandamentos”, em novembro, mas foi engavetada, dando lugar a reprises de minisséries bíblicas. Para 2017 estão programadas “Rico e Lázaro” e “Apocalipse”.

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 21 de março de 2016 Crítica, Novela | 07:00

Espetáculo visual, “Velho Chico” obriga o telespectador a olhar para a TV

Compartilhe: Twitter
Rodrigo Santoro aceitou voltar para as novelas após 13 anos para fazer a trama

Rodrigo Santoro aceitou voltar para as novelas após 13 anos para fazer a trama

“Velho Chico” está no ar há uma semana enchendo os olhos de quem liga a TV na Globo por volta de 21h15. O diretor Luiz Fernando Carvalho – que alterna sucessos como “O Rei do Gado” com trabalhos não compreendidos pelo público, como a minissérie”A Pedra do Reino” – renovou a estética do horário ao repetir a parceria com o autor Benedito Ruy Barbosa. Esta primeira fase é um espetáculo, sobretudo, visual.

Produção de Velho Chico impressiona pelo esmero

Produção de “Velho Chico” impressiona pelo esmero nesta primeira fase

O esmero nas cenas é notado no figurino, fotografia, iluminação, cenografia e, claro, na interpretação dos atores. Só para citar alguns, Tarcísio Meira mostrou que aos 80 anos continua em ótima forma, dominando o primeiro capítulo. Selma Egrei é outra a ter a chance de por à prova seu talento na pele de Encarnação. A novela trouxe ainda Rodrigo Santoro de volta ao formato após 13 anos – a última que participou havia sido “Mulheres Apaixonadas” (2003).

A história em si não traz novidades: um romance proibido que atravessa gerações no interior do Brasil, com disputa de terras entre famílias rivais – mote idêntico ao de “O Rei do Gado”, de 20 anos atrás, da mesma dupla (e, diga-se de passagem, também com uma primeira fase impecável). Cada cena é produzida de forma tão saborosa que o texto acaba ficando em segundo plano – por enquanto é uma novela mais para ser vista que ouvida.

Tarcísio Meira e Selma Egrei dão show de interpretação

Tarcísio Meira e Selma Egrei dão show de interpretação

Já foram ao ar cenas de minutos sem uma fala sequer, mas sem enrolação. Os diálogos muitas vezes são pontuados com atos – como beber e comer – que ficam tão bem colocados que parecemos estar lá também, visitando a casa e observando o anfitrião.A edição, ágil, ajuda a espantar qualquer indício de marasmo ou enrolação. Com isso, algo que já não acontecia mais tanto voltou à tona: é preciso ASSISTIR  à novela, olhar para a tela para saber o que está acontecendo. Quem tenta ouvi-la enquanto mexe no celular, por exemplo, não consegue acompanhar a riqueza de detalhes.

Cena de sexo entre os personagens de Rodrigo Santoro e Marina Nery chamaram a atenção

Cena de sexo entre os personagens de Rodrigo Santoro e Marina Nery chamou a atenção

“Velho Chico” traz ainda para o horário um nicho que há 15 anos foi “banido” das 21h: as novelas regionais, que migraram para as 18h depois de “Porto dos Milagres” (2001), de Aguinaldo Silva. O sertão de gente simples é exibido, sem vitimização da pobreza e transpondo o telespectador que não queria mais ver favela no horário nobre.

Por enquanto a história flui com poucos atores, sem núcleos paralelos chatos como suas antecessoras (“A Regra do Jogo” e “Babilônia”). Ainda há certa liberdade e ousadia – como as cenas de sexo de Santoro com Carol CastroMarina Nery, nessa primeira semana. Os seios à mostra das duas indicam a naturalidade do tratamento da nudez pelo folhetim, algo que não acontecia em uma primeira semana de novela das 21h desde “Celebridade” (2003), quando Darlene (Deborah Secco) e Jaqueline Joy (Juliana Paes) fizeram topless e causaram reclamações dos mais conservadores.

O diretor Luiz Fernando Carvalho pensa em cada detalhe

O diretor Luiz Fernando Carvalho pensa em cada detalhe

Para arrematar, a trilha sonora foi bem escolhida pelo próprio Luiz Fernando Carvalho, começando com “Tropicália”, de Caetano Veloso, na abertura, e passando por nomes como Gal Costa, Alceu Valença, Marcelo Jeneci e Chico César.

Ainda é cedo para dizer que “Velho Chico” será uma obra prima da TV mas, se mantiver o cuidado com a estética que mostrou até agora na próxima fase, a novela tem chances de poder ser chamada assim e ser lembrada como o grande destaque da televisão em 2016. Por enquanto a audiência tem correspondido: a primeira semana marcou 31 pontos em São Paulo e 34 no Rio de Janeiro.

Perdeu a primeira semana? Assista ao teaser de apresentação da novela:

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quarta-feira, 16 de março de 2016 Novela | 10:30

Walcyr Carrasco elogia Rosi Campos em “Êta Mundo Bom”: “Maravilhosa”

Compartilhe: Twitter
Rosi Campos ganha elogios do autor Walcyr Carrasco

Rosi Campos ganha elogios do autor Walcyr Carrasco

Walcyr Carrasco falou rapidamente sobre “Êta Mundo Bom” antes de receber o Prêmio APCA, da Associação Paulista de Críticos de Arte, de melhor novela por “Verdades Secretas”. O autor, que não escondeu seu entusiasmo por receber o troféu na noite de terça-feira (15), contou que dois atores o surpreenderam em “Êta Mundo Bom”, atual novela que escreve para as 18h.

“Eu nunca tinha trabalhado com a Rosi Campos e ela está maravilhosa como Eponina. Quando fiz o Candinho, veio o Sérgio Guizé, e que maravilha, né?”, surpreende-se. Porém, alguns papéis são feitos sob medida para alguns atores, confessa. “Quando veio a Cunegundes eu ja sabia que seria a (Elizabeth) Savalla; quando criei a Sandra, sabia que queria a Flavia Alessandra“.

Autor: Tags: , , , , ,

  1. Primeira
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última